No Dia de Ação de Graças, perus ganham banquete em santuário

Por Yuri Gonzaga

Segundo a Universidade de Illinois, 46 milhões de perus são mortos para comemorar o “Thanksgiving” nos EUA, a maior matança da ave no ano, atrás do Natal (22 milhões) e da Páscoa (19 milhões).

Em uma apropriação do feriado, no qual as pessoas refletem e expressam pelo quê são gratas em suas vidas, a organização Farm Sanctuary, sediada no Estado de Nova York, oferece um banquete para os perus que ali vivem.

“O que fazemos é criar uma grande refeição para eles. Em vez de tê-los como parte da comida, celebramos a vida dos perus, nossos convidados de honra”, diz Susie Coston, diretora do abrigo da Farm Sanctuary, ao site Huffington Post.

O menu, preparado por um dos membros da ONG, foi composto por salada de couve com framboesas, abóbora do tipo acorn squash assada e torta de abóbora para sobremesa.

“Percebi que as pessoas têm uma experiência transformadora quando se encontram com um peru, mais do que com outros animais, porque elas não esperam que ele tenha uma personalidade”, diz Colleen Patrick-Goudreau, escritora e ativista pelos direitos animais.

“Seus anseios por relacionamentos, por experimentar alegria e prazer, pela vida não diferem dos de nossos gatos e cachorros”, diz.

“É difícil de se identificar com aves no começo”, afirma Coston. “Mas acho que fazer as pessoas olharem para elas como você as vê pode ser a melhor maneira de gerar uma mudança.”

“As pessoas não sabem quão frustrante e emocionalmente desafiador pode ser para um vegetariano ou um vegano durante o ‘Thanksgiving'”, diz Patrick-Goudreau. “Então ver um peru pulando sobre a mesa e comendo… é assim que deveria ser um peru na mesa.”

Celebrado nesta quinta-feira (26) nos EUA, o Dia de Ação de Graças tem em sua raíz o agradecimento dos peregrinos que habitavam a região hoje onde está o Estado de Massachusetts pelos frutos da lavoura do último ano e, apesar de controvérsias sobre a primeira celebração, teria acontecido em 1621.

Reza a lenda que o jantar foi composto só por alimentos locais, dados por ameríndios aos colonizadores.

O peru é uma forma domesticada do peru-selvagem (Meleagris Gallopavo), que é natural da América do Norte.