Rede de TV americana veta vídeo que diz que veganos ‘duram mais’ na cama

Por Yuri Gonzaga

A organização Peta (Pessoas pelo Tratamento Ético dos Animais, na sigla em inglês) liberou um comercial em vídeo em que defende a ideia de veganos terem uma vida sexual melhor. O anúncio seria veiculado durante o caríssimo intervalo da final de futebol americano nos EUA, o Super Bowl.

A rede CBS, por meio da qual a ONG –que costuma fazer campanhas, digamos, assertivas– transmitiria a peça, negou-se a tanto por causa do conteúdo alegadamente explícito.

O vídeo mostra dois casais heterossexuais durante o ato. Ao menos a contraparte masculina dos dois seria composta ora por “carnista”, ora um vegano.

“Comedores de carne no país todo estão sentindo o efeito de uma crise ‘deflacionária’ que está tomando lugar bem no seu território, o quarto de dormir”, escreveu a Peta em um site criado para a campanha.

“Mais da metade dos homens entre 40 e 70 têm de jogar a toalha por causa da dificuldade antes mesmo de começar o jogo. A verdade é que o colesterol em carne, ovos e laticínios dificulta o fluxo sanguíneo em todos os órgãos –não só o coração.”

Segundo o texto, que cita um estudo recente em “The American Journal of Clinical Nutrition”, uma dieta vegana e pobre em lipídios resolve todas as causas fisiológicas da maior parte dos casos de impotência: alto colesterol, obesidade, diabetes, câncer ou inflamações na próstata e desequilíbrios hormonais.

A Peta já havia tido comerciais seus banidos no Super Bowl, como no vídeo abaixo, de 2009.

Quando de seu lançamento, um artigo no site Slate, a fim de desbancar as afirmações de que vegetarianos seriam melhores na cama, afirmou que os adeptos da dieta poderiam sofrer de libido diminuída por causa da potencial deficiência de zinco (em homens) e amenorreia (em mulheres).

Outro texto, este do jornal britânico “Daily Mail”, relata um estudo na Universidade da Califórnia em Berkeley que conclui que o consumo de vegetais como a soja, que são ricos em certos flavonoides semelhantes ao hormônio estrogênio, influenciam positivamente a vida sexual.